sexta-feira, 19 de dezembro de 2014

IMAGENS DA UNIVERSIDADE DE ABERDEEN MOSTRAM VIDA NUM DOS LOCAIS MAIS PROFUNDOS DOS OCEANOS.

CIENTISTAS FILMAM PEIXES A 8 KM DE PROFUNDIDADE NA FOSSA DAS MARIANAS
UMA COMPILAÇÃO DE IMAGENS DE VÍDEO CAPTURADO DA UNIVERSIDADE DE ABERDEEN HADAL-LANDER NA FOSSA DAS MARIANAS DE 5000 DE 10.545 MT DE PROFUNDIDADE.


Imagens da Universidade de Aberdeen mostram vida num dos locais mais profundos dos oceanos.

Uma compilação de imagens de vídeo capturado da Universidade de Aberdeen hadal-Lander na Fossa das Marianas de 5000m de 10.545 m de profundidade. 

Cientistas da Universidade de Aberdeen, na Escócia, filmaram peixes na Fossa das Marianas, a 8145 metros de profundidade. As imagens captadas pela equipa Oceanlab, diz a universidade mostram peixes que nunca tinham sido filmados àquela profundidade, incluindo uma espécie de peixe-caracol nunca vista.

Os grandes peixes habitam a profundidade menor (5000 a 6500m) são de ratos-rabos, Abadejos e amuos de enguias. Nas profundezas meados (6500 a 8000m) são os anfípodes supergigantes ea pequena snailfish rosa. O snailfish frágil em 8145m é agora o mais profundo peixe vivo. 

Em profundidade maior que 8500m, apenas as grandes enxames de pequenos anfípodes de eliminação são visíveis. A filmagem foi feita durante o cruzeiro HADES-M no Instituto Oceano Schmidt Research Vessel 'Falkor'. Direitos de Autor SOI / HADES / Universidade de Aberdeen (Dr. Alan Jamieson) 00:02 - Scavenging rato-cauda come isca em 5040m de profundidade 0:15 - Grandes Abadejos em 4998m 00:23 - Grandes camarões decápodos em 6010m 00:27 - Grande cusk enguia, chamado Bassozetus alimenta a isca em 5040m 00:35 - A-cauda de rato, uma enguia cusk e um pout enguia em 5040m 0: 40 - Uma grande enguia cusk chamado Barathrites alimentando a isca em 5040m 00:48 - Um grande amphipod supergigante aproximando isca e começando a alimentar a 6141m 01:05 - Dois grandes amphipod supergigante, um dos quais está a ser presa por Abadejos em 6141m 1 : 22 - Rato-caudas, decápodes, supergigantes e snailfish em 7012m 01:31 - Novas espécies de snailfish em 7485m 01:40 - Nova profundo registro de peixes snailfish frágil em 8145m, com enxames de anfípodes normais 01:58 - Enxames de anfípodes no lugar segundo mais profundo da Terra, O Sirena profundo no 10,545m profunda

A Fossa das Marianas, no Pacífico, é um dos locais mais onde o oceano atinge mais profundidade.


domingo, 3 de agosto de 2014

TUBARÃO DE BALEIA DE 16 METROS É CAPTURADO POR PESCADORES CHINESES

TUBARÃO DE BALEIA ENORME É CAPTURADO POR PESCADORES CHINESES NA PROVÍNCIA DE FUJIAN.
PESCADOR CHINÊS CAI CHENGZU AFIRMA QUE ELE NÃO SABIA QUE O MONSTRO DE 16 METROS DE COMPRIMENTO EM SUA REDE, ESTAVA EM PERIGO, MAS PLANEJAVA VENDÊ-LO EM MERCADO LOCAL DE PESCADOS.



Durante uma viagem de pesca Cai puxado em sua rede na sexta-feira para descobrir um peixe gigante duas toneladas debatendo, tentando escapar. 

O pescador de Xianghzhi na província far-leste do Fujian, disse que ele e seus colegas estavam levantando a rede para fora do oceano, quando eles perceberam que algo havia causado um enorme rasgo nele. 

Em entrevista ao Notícias 163 o pescador disse: "Acredita-se que a criatura gigante rasgou a rede com intenção de entrar dentro de comer os peixes, que pegamos". 

Chengzu afirma que o tubarão-baleia lutou freneticamente para escapar, mas morreu logo depois, e ele decidiu levá-la ao porto de pesca, com o resto de sua captura. 

Ele teria planejado vender o peixe enorme para cerca de 20.000 yuan (2.000 £) no mercado atacadista Xiangzhi. No entanto, seu plano foi frustrado quando autoridades do departamento de pesca Fujian interrompeu a venda. 

O pescador chinês alegou não saber o tubarão-baleia é uma espécie em vias de extinção, mas estava levando isso para o mercado. 


Os tubarões-baleia são uma espécie vulnerável e classificada como protegida na China, tornando ilegal comprar ou vender. 

Eles são a maior de todas as espécies de peixes e um adulto pode viver até 100 anos. Eles se originaram cerca de 60 milhões de anos atrás. Eles podem crescer até cerca de 10 metros de comprimento, o que sugere que, em 4,5 metros, o peixe capturado por Cai era uma espécie jovem. 

Populações de tubarões-baleia podem ter sido esgotada pela pesca de arpão no Sudeste Asiático. 

Devido ao seu grande tamanho, os tubarões-baleia não têm muitos predadores naturais. Existem apenas dois relatos de tubarões baleia juvenil sendo atacados por outra criatura - um Marlin Azul e um tubarão azul. Vários tubarões-baleia possuem cicatrizes que são provavelmente o resultado de ataques de tubarão em uma idade precoce. Duas baleias assassinas foram filmados atacando, matando e consumindo um tubarão-baleia 8 metros. 

Os tubarões-baleia são muito valorizadas no mercado negro. Um único animal pode valer tanto quanto £ 18.000, enquanto as barbatanas são vendidas a restaurantes para fazer altamente valorizada sopa de barbatana de tubarão. A pele é também vendido para fabricantes de sacos, e outras partes do corpo são transformadas em suplementos de óleo de peixe.

sábado, 2 de agosto de 2014

TIPOS DE ÂNCORA E CUIDADOS!

TIPOS DE ÂNCORA E CUIDADOS NA HORA DE ESCOLHER A DO SEU BARCO.
ANTES DE EQUIPAR SEU BARCO, CHEQUE QUAL O TIPO DE FUNDO DOS LOCAIS ONDE VOCÊ PRETENDE ANCORAR. E, SE FOR ANCORAR EM LUGARES COM DIFERENTES TIPOS DE FUNDOS, LEVE TAMBÉM MAIS DE UM MODELO DE ÂNCORA.


A ancoragem faz parte de uma navegação segura, por isso, é preciso escolher a âncora certa para a sua lancha e para o tipo de fundo no qual você pretende ancorar, afinal é ela quem mantém o seu barco num lugar específico, sem deixá-lo à deriva. 

Conheça o terreno
Os modelos de âncoras mais comuns usados são Bruce, Danforth, Garateia e Folding, e cada um deles é indicado para um tipo de fundo do mar. Em fundos de areia, cascalho e lodo, as indicadas são a âncora Bruce ou Danforth. Já em fundos de pedra, deve-se usar âncoras Garateia ou Folding, pois eles prendem melhor nesse tipo de terreno.

Por isso, antes de equipar seu barco, cheque qual o tipo de fundo dos locais onde você pretende ancorar. E, se for ancorar em lugares com diferentes tipos de fundos, leve também mais de um modelo de âncora.

Um é pouco, dois é bom
E falando em mais de uma âncora, é aconselhavel os donos de embarcação a terem duas âncoras a bordo: a principal e uma de popa. Descendo as duas âncoras você evita que o barco fique girando, o que acontece por causa do vento e dos movimentos da água.

Peso e qualidade
Quanto mais pesada a âncora mais ela segura o barco, certo? Mas de nada adianta uma âncora de 10 kg, por exemplo, se ela não for fabricada corretamente.

Outro modelo que pode apresentar problemas se a peça não feita no padrão é o Danforth. Os braços da âncora devem abrir num ângulo de 45° em relação a haste para que ela se prenda bem ao fundo, se o ângulo for maior ou menor, a peça não prenderá.

O material e a técnica usados na confecção também influenciam na qualidade no produto. Destacamos que as âncoras de inox ou galvanizadas a fogo e a técnica de fundição como melhores. As âncoras com soldas não são muito boas, pois, por exemplo, a maioria das âncoras Bruce soldadas tem defeito nas dobras laterais.

Preços
Os valores das âncoras variam de acordo com o tipo, material e peso. Uma âncora Bruce galvanizada de 2 kg, por exemplo, pode sair por a partir de R$ 64,90 e uma Bruce de inox de 10 kg, pode custar R$ 299,00 ou mais.

As âncoras Danforth podem ser uma pouco mais caras, custando de R$ 300,00, modelos com 1 ou 2kg, a R$ 4.000,00, com 9 kg.

Uma folding de até 3 kg pode custar de R$ 70,00 a 300,00. Os preços das âncora garateia vão de R$ 50,00, com 2 kg, a R$ 120,00, com 8 kg.

sexta-feira, 1 de agosto de 2014

CARRETILHAS AVET: ORGULHOSAMENTE FEITAS NOS EUA!

CARRETILHAS AVET
ONDE A TECNOLOGIA MODERNA ATENDE VELHO MUNDO ARTESANAL .ORGULHOSAMENTE FEITAS NOS EUA!


AVET carretilhas foram estabelecendo novos padrões em design de carretilhas e desempenho desde a sua criação há quase uma década. Continuamos a definir novos padrões com inovações como nossas carretilhas da carcaça alavanca arraste de 2 velocidades, o primeiro da indústria, a nossa MC patenteado fundido anti-backlash magnético ajustável expressos sistema de controle, e as nossas novas bobinas série Raptor que produzem quase o dobro da potência de arrasto de nossa origem Avet carretilhas...

Mais uma vez a elevar a fasquia para todos de alto desempenho, grande jogo lançando carretilhas. Nossa Série EX Big Game carretéis de pesca para corrico continuar a ser a escolha para pesca ao largo da costa do esporte e grandes jogos do torneio pescadores em todo o mundo por causa de sua durabilidade , desempenho comprovado e poder. 

Todas carretilhas Avet tem componentes do recurso usinados nos EUA a partir de sólidos 6061-T6 alumínio de grau marítimo e estoque aço inoxidável sólido, com incrível força e resistência à corrosão de engenharia em seu design. Todos os componentes de alumínio são anodizados para resistência à corrosão superior, bem como belos acabamentos. AVET carretilhas são projetadas para uso fácil take-down e manutenção, sem molas ou peças pequenas que "ir no ar" e desaparecem durante a desmontagem básica. Carretilhas AVET não só é bem construída, como elas executam. Nosso tamanho ao longo de fibra de carbono sistema de arrastar Avedrag seco dá Avet Carretilha algo que nenhuma outra alavanca arraste carretel tem um sistema de arrastar ultra suave e poderoso com a capacidade de libertar carretel com uma definição de arrasto total. Rolamentos de esferas de aço inoxidável de precisão Oito dar Avet Carretilha incrível suavidade, o aumento da distância casting, e carretel livre superior.


CARRETILHAS AVET 1-VELOCIDADE
AVET modelos de velocidade únicA incluem líderes da indústria características diferente de qualquer outro carretel no mercado. Com um SISTEMA ajustável "pré-set" sistema de alavanca arrasto, usinados componentes 6061-T6 de alumínio e aço inoxidável, 8 de borracha selado rolamentos de esferas de aço inoxidável, engrenagens de aço inoxidável e nosso suave, poderoso sistema de arrastar Avedrag seco. Nossas bobinas de velocidade única estão no auge de qualidade e desempenho. Todas as bobinas de uma velocidade AVET estão disponíveis com ou sem o nosso sistema de controle de Elenco MC. (Exceto AXL)


CARRETILHAS AVET 2-VELOCIDADES
AVET modelos de 2 velocidades incluir todas as características dos nossas carretilhas de velocidade única de qualidade, com 2 velocidades. O mecanismo de mudança de marcha simples, mas confiável construído nos modelos de 2 velocidades é tão fácil de operar que se torna uma segunda natureza quase que imediatamente. O botão localizado no centro do identificador de licenças de braço deslocando entre as engrenagens de alta e baixa, sem a sua mão nunca deixar o botão de punho, e podem ser deslocados com ou sem pressão, para que possa mudar enquanto pôr em marcha, ou quando um peixe está em execução . Todos AVET 2 velocidades carretéis da carcaça da alavanca de arrastar (SX-HX) estão disponíveis com ou sem o nosso sistema de controle de Elenco MC.


AVET MC ELENCO DE CONTROLE ANTI-FOLGA / ELENCO
Nossa revolucionária Elenco MC (Elenco Magia) ajustável anti-backlash magnético lançar sistema de controle é disponível como uma opção em todos os nossos carreteis individuais e 2 velocidades de fundição, SX através HX, e é um padrão apresentam na série Carretéis Raptor (excluindo o AXL Raptor). O sistema de controle Elenco MC incorpora patenteado Intensidade ajustável do Avet Polar tecnologia de amplificação para criar o mais eficiente e fácil de usar sistema de controle de elenco para um carretel de estilo convencional. Desde a isca mais leve para iscas pesadas, o Sistema de Controle de MCCast é simples de usar, mesmo se você nunca antes lançado um carretel estilo convencional. Basta colocar o polegar sobre o carretel para lançar, swing, retire o polegar do carretel e deixá-lo voar! Você só vai precisar polegar o carretel quando a atração atinge a água. 

   
SÉRIE RAPTOR AVET REELS
Nossos novos AVET Raptor Série Carretéis são a vanguarda em grandes bobinas de jogos compactos. Estas bobinas são consistentemente o desembarque de peixes incrivelmente grande em relação ao seu tamanho compacto. Projetado para uso com os ultra fino, super fortes linhas superbraid disponíveis hoje, é agora possível atingir grandes espécies de caça com uma meia carretel do tamanho e do peso em comparação com um carretel tradicionalmente concebido para linha monofilamento e arrastar semelhantes capacidades. E o Raptor tem a arrastar e pôr em marcha para poder apoiá-la. O Avet Raptor Series vem de fábrica com nossas engrenagens de 2 velocidades inovadoras, MC Lança controle, e uma alavanca de arraste catraca com um botão de ataque parada positiva para impedir avanço acidental passado greve. Apresentando nosso patenteado DUAL DIRECT DRIVE Full Surface Caliper Brake System, eles lançaram quase o dobro da pressão de arraste das Avets originais! Temos um modelo Raptor que vai parar todos os peixes no oceano, ainda pequeno e leve o suficiente para lançar. Se você encontrar um peixe muito grande para um Raptor, você provavelmente não iria querer isso de perto do seu barco! As bobinas Raptor série são os mesmos tamanhos que os nossos bobinas AVET originais, com capacidades avançadas de linha, e cada um são projetados e construídos para pescar várias classes de linha mais pesados ​​do que os originais Carretéis AVET.

CARRETILHAS AVET canhoto  
AVET carrretilhas também estão disponíveis em VERDADEIRO MÃO ESQUERDA recuperar modelos (* exceto EX 80), projetado e usinado canhoto, imagem de espelho dos nossos modelos de mão direita, não convertido modelos da mão direita com os controles para trás! Modelos mão esquerda são estocados e disponível em apenas prata, com outras cores disponíveis por encomenda especial através de seu revendedor. * Canhoto EX 80 modelos são convertidos fábrica da mão direita para a esquerda.

quinta-feira, 31 de julho de 2014

INVISA SWIVEL, O GIRADOR DE PESCA INVISÍVEL!

CONHEÇA O INVISA SWIVEL, O GIRADOR DE PESCA INVISÍVEL!
INVISASWIVEL É UM GIRADOR DE PESCA TRANSLUCIDO QUE FOI DESENVOLVIDO PARA O ÁVIDO PESCADOR QUE QUER PEGAR MAIS PEIXES.


InvisaSwivel é um girador de pesca translucido que foi desenvolvido para o ávido pescador que quer pegar mais peixes. 

Nosso projeto discrição é invisível na água. O peixe não pode ver o giro como giram os metálicos convencionais, que são pesados ​​e corroem o que afeta a sua capacidade de remover corretamente a torção da linha.


Outra grande característica do InvisaSwivel é sua capacidade de auto-lubrificar. O material espacial de que são feitos, na verdade, promove a ação de giro livre. 

Estes giros irão proteger os seus guias de nicks deslizando suavemente através causando nenhum dano ao contrário de um giro de metal. 

Não há mais guias de corte de sua linha! Um girador convencional só pode ser dobrado 3-4 vezes antes de quebrar. 

InvisaSwivels pode ser dobrado centenas de vezes e não mostram sinais de fadiga, continuam a girar e dobrar de volta. 


Corrosão desempenha um papel enorme em fracasso giratória metal. Água e umidade corroer o metal no minuto a embalagem é aberta. . InvisaSwivels não são afetados por água doce ou salgada assim corrosão nunca é um problema.

Aumente as suas chances e pegar mais peixe usando um InvisaSwivel, é a escolha certa! 

Características: Invisivel na água auto lubrificantes Sinking lenta flexível Durabilidade prova de corrosão. Protege seus Guias

sexta-feira, 25 de julho de 2014

HI-SEAS AS FANTASTICAS ISCAS TROLLING.

HI-SEAS AS FANTASTICAS ISCAS TROLLING
APÓS 10 ANOS DE PESQUISAS, HI-SEAS LANÇA NO MERCADO AS MELHORES ISCAS PARA PESCA DE MARLIM EM ÁGUAS AZUIS PROFUNDAS.


HI-SEAS são iscas trolling suaves, com Cabeça de Resina que proporcionam um avanço revolucionário em pesca de águas azuis. 

As cabeças holográficas são feitas a partir de uma fórmula resina especial projetada para ser denso, claro como cristal, e levemente macia, com um olhar neutro. 

Cada isca é feita à mão e montadas em Portugal. 

A suavidade cria uma sensação mais realista para o Marlin e outro jogo grande peixe quando fisga-la, resultando em mais rápidos hook-ups e isca menos lançada. 

Estas iscas foram concebidos a partir de anos de experiência de pesca torneio e campeonato, e quando manipuladas corretamente e definir no padrão de corrico direito elas vão entregar resultados de classe mundial. 

Um benefício adicional do design suave cabeça resina é que ela é menos frágil e mais fácil de manusear do que as iscas de cabeça dura que facilmente quebrar ou se quebram quando são descartados. 

HI-SEAS pesquisou e desenvolveu 10 séries de iscas de pesca ao corrico, com diâmetros diferentes de cabeça, combinações de cores e dimensões saia para criar as melhores iscas de pesca ao corrico de qualidade no mercado. Saias de reposição para cada série também está disponível em uma variedade de cores para criar a sua própria combinação de cores.

HI-SEAS Corrico Chefs Lure são garantidas para ficar claro por 3 anos, sob condições normais de uso e com o devido cuidado (limpeza com água doce após o uso e armazenamento em uma área escura, longe da luz UV), ou Hi-SEAS irá substituí-la.

quinta-feira, 24 de julho de 2014

AQUA-VU REALIZA O SONHO DOS PESCADORES DE ENXERGAR O FUNDO DO MAR.

AQUA-VU, REALIZANDO O SONHO DE ENXERGARMOS O FUNDO DO MAR!
CONHEÇA O INCRÍVEL SISTEMA DE CÂMERA DE VÍDEO SUBAQUÁTICA PARA PESCADORES.


Em 1997 Aqua-Vu inventado sistemas de câmera de vídeo subaquático para os pescadores. Aqua-Vu desenvolveu a tecnologia que abriu os olhos de pescador para o mundo subaquático. Os primeiros sistemas eram volumosos e caros, e como a tecnologia e os projetos melhorados, dezenas de milhares de pescadores começou a usar câmeras subaquáticas para ajudá-los a pegar mais peixe. Em 2009, Ao Ar Livre Insight, Inc. comprou a marca Aqua-Vu e reorientou a empresa na qualidade e inovação, e nós continuamos a vender sistemas de câmeras subaquáticas mais do que todos os nossos concorrentes combinados.

Reinventando câmeras subaquáticas
Aqua-Vu inventou as câmeras de pesca submarina, agora estamos reinventando-os! Novo para 2012 é um sistema de cores do tamanho do seu telefone celular, a primeira câmera subaquática com zoom digital de 3x, e uma câmera com uma cesta robótico que permite pegar itens que você encontra debaixo d'água.

O Aqua-Vu Micro cor é uma cor do sistema cheio de recursos, câmera subaquática que cabe no seu bolso. O Micro Cor tem uma tela LCD de 3,5 "com uma bateria de lítio-ion recarregável e de 50 metros de cabo de teste £ 22. Com zoom digital de 3x, o 760cz Aqua-Vu permite que você obtenha uma olhada no peixe, sua atração, e estrutura inferior . Uma câmera CCD 1/3-inch Sony produz uma imagem cristalina em uma nova luz visível impermeável tela LCD, de 7 polegadas. Camera direção, profundidade e temperatura são mostrados na tela.

Alguma vez você já baixou seus óculos, chaves ou vara de pesca favorito ao mar? O novo Garra Aqua-Vu permite encontrar e recuperar itens perdidos por vê-los em um monitor de mão e agarrá-los com uma cesta de garra robótica.

A Equipe
A maioria dos nossos funcionários têm trabalhado com Aqua-Vu há mais de 10 anos e usar sua experiência para ajudar os clientes a cada dia. Nós nos esforçamos para tornar a sua experiência do cliente o melhor! Deixe-nos saber se há alguma coisa que podemos ajudá-lo com os nossos produtos!

RADAR SI-TEX LCD T-760, UM RADAR PROFISSIONAL COM PREÇO DE AMADOR!

LINHA SI-TEX LCD T-760, VOCÊ VAI TROCAR O SEU RADAR!
NOVA SÉRIE T-760 É EQUIPADO COM UMA ANTENA DE 18 POLEGADAS RADOME COMPACTA PARA BOM DESEMPENHO NUMA AMPLA GAMA DE CONDIÇÕES, E AS ESCOLHAS DE ESCALA A PARTIR DE 1/8 NM A 24 NM.


SI-TEX lançou recentemente o Radar LCD colorido T-760 Series touch-screen, que oferece grande desempenho é uma radar-profissional com recursos em uma unidade que tem o tamanho e o preço para todo o navio.

A série T-760 traz recursos avançados, como controle touch-screen, AIS rastreamento de alvos e padrão (Radar Mini Automatic Plotagem Aid) MARPA a uma vasta audiência de cruzadores e pescadores. Este sistema possui uma longa lista de recursos de nível profissional, incluindo poderosa saída de 4 kW, até 48 gama nm, e rotação da antena várias velocidades. Controle de todas estas características é conseguido através do visor LCD touch-screen do T-760 e mostrador codificador rotativo único para uma operação simples e intuitiva.

A série inclui o T-760, equipado com uma antena de 18 polegadas radome compacto para bom desempenho numa ampla gama de condições, e as escolhas de escala a partir de 1/8 nm a 24 nm. A T-761 possui uma antena radome de 24 polegadas que oferece uma largura de feixe estreito, resultando em excelente resolução de destino, e aumentando o alcance de efetivo para 48 nm.

quarta-feira, 23 de julho de 2014

AS CARRETILHAS EVEROL DETÉM OS RECORDES MUNDIAIS POR MAIS DE 30 ANOS

EVEROL, A MELHOR E MAIOR CARRETILHA DE PESCADO MUNDO!
POR MAIS DE 30 ANOS AS CARRETILHAS EVEROL DETÉM OS RECORDES MUNDIAIS COMO A MAIOR CARRETILHA DE PRODUÇÃO DO PLANETA.


Por mais de três décadas, a Everol Série Especial 18/0 carretel de pesca detinha o recorde mundial como a maior carretelilha de produção no planeta. 

Não mais! Em março passado, Everol lançou a série especial 20/0, que vem com uma capacidade de linha incomparável de 5.300 metros de-100-libras-teste monofilamento ou 14 mil metros de linha trançada de 130 quilos.

O estoque 20/0 bobina vem de fábrica com anodização de ouro. Por um capricho, a fábrica na Itália produziu alguns desses molinetes históricas em preto, azul, prata, vermelho, verde e violeta. 

Em menos de uma semana, Everol tem vendido em todas as cores. Existe atualmente um 4 - backlog a 6 semanas no dia 20/0 carretel.

BUCKET GRIP, O ANEL FIXADOR QUE SEGURA SEU BALDE!

BUCKET GRIP, O ANEL FIXADOR QUE SEGURA SEU BALDE!
BUCKET GRIP EVITA QUE SEU BALDE CORRA, CAIA NO CONVÉS DA SUA EMBARCAÇÃO.

O Bucket Grip é um anel robusto, não-derrapante, não-marcador que é projetado para minimizar o deslizamento, quedas e os danos que podem ocorrer a partir de baldes de correr em torno de barcos e trailers. Todos nós usamos cinco baldes galão se estamos pescando, mergulhando, ferramentas de transporte, ou limpeza. O Bucket Grip vai parar os problemas antes que eles aconteçam.

• Evita baldes de deslizar no convés 
• Previne arranhões em fibra de vidro e teca 
• Baldes não vai cair com vassouras neles 
• UV resistente e durável 
• Flutua 
• Serve Mais 5 galões e baldes de 3,5 litros com diâmetro de base de 10,25-10,5 polegadas 
• Feito nos EUA


terça-feira, 22 de julho de 2014

ARDENT: "GOVERNANDO A ÁGUA!"

ARDENT: "GOVERNANDO A ÁGUA!"
CONHEÇA A LINHA DE PRODUTOS ARDENT QUE É LÍDER NO MERCADO AMERICANO.



Ardent é o designer e fabricante líder de carretilhas de pesca de água doce e produtos e acessórios para manutenção de equipamentos. Feito por pescadores para pescadores, o design de cada carretilha Ardent e acessórios Ardent é o resultado da entrada de pescadores profissionais que são membros da Equipe Ardent. 

Localizada em St. Louis, Missouri, Ardent se orgulha de ser uma empresa de propriedade e operada por americanos. A empresa foi fundada no princípio da criação de alto molinetes de desempenho que pode suportar o teste do tempo. Com isso em mente, cada carretilha Ardent é montada à mão e desempenho testado antes do embarque. Cada carrteilha Ardent também é possui a melhor garantia de 3 anos da indústria para garantir anos de grande desempenho e mais recentes lançamentos de produtos da Ardent incluem: 

Série Edge (Elite, Tour, Inshore Pro, Pro, FOF Tournament, torneio) com Drag Tecnologia de Rastreamento A patente pendente sistema sobre os novos carretéis Borda Ardent "Tecnologia de Rastreamento Arraste" permite que o vento ilhós nível para acompanhar em paralelo com a localização da linha de o carretel de linha como está sendo puxado da bobina no modo de arrastar. Isso reduz a chance de quebra de linha em peixes grandes, eliminando os ângulos agudos causados ​​pelo orifício vento nível estar fora de sincronia com a localização da linha no carretel em modo de arrastar como é o caso em todos os outros rolos

Reel Butter com graxa e óleo Reel Kleen Desengraxante, do Ardent # 1 avaliado lubrificantes sintéticos

Reel Butter Tendo Lube e Linha Butter Conditioner

Rigger, uma pesca multi-ferramenta completa

SmartCull, um sistema de abate de dois estágios para gerenciar peixes em seu livewell durante situações de torneio de pesca

O Reel Kleen Kit de limpeza, uma parte de uma espécie tackle caixa recipiente de tamanho que vem completo com todos os produtos de manutenção da bobina.

Reel Guarda, um inibidor de corrosão para equipamentos de pesca

Desde que a empresa teve origem em 2003, Ardent tem o compromisso de oferecer a mais alta qualidade do carretel com artesanato perito só um pescador pode apreciar. Tente bobinas Ardent, produtos Reel Cuidados e acessórios, e experimentar um melhor desempenho e durabilidade. 

Escolha Ardent. Escolha vitória.

CHERNE DE 157 KG É PEGO NO LITORAL DO RIO DE JANEIRO

CHERNE DE 157 KG É PEGO NO LITORAL DO RIO DE JANEIRO
CONSULTOR DE EMPRESAS FOI O RESPONSÁVEL POR FISGAR O PEIXE.


O consultor de empresas Wagner Moreira da Silva, de 59 anos - e pescador amador nas horas vagas -- teve seu dia de sorte no mar e fisgou um cherne gigante de 157kg e 1,72m de comprimento no litoral carioca. A proeza aconteceu em pesca oceânica a bordo da lança Mr. Fishing, do capitão Alexandre Antunes, no início do mês. O pescador disse ter levado quase 2 horas de briga para "embarcar o bichão" e que contou com ajuda de amigos no barco.

"Por causa do esforço, fiquei com problema na coluna até hoje. Mas valeu pela grande emoção", disse o sortudo, que festejou o feito deitado ao lado de peixe na embarcação.

Apesar do tamanho do peixe, Wagner não conseguiu bater o recorde mundial. A marca ainda pertence a um pescador americano da Flórida (EUA) que fisgou cherne de 198,1kg, em 1995. 

Da família dos Epinephelidae (nome científico), o cherne-queimado pode atingir mais de 2 metros e 250 quilos.

O consultor-pescador disse que faz pescas oceânicas desde 2008 com um grupo de amigos e garante que esse foi o seu maior 'troféu'.

A foto de Wagner ao lado do cherne, junto a de outros pescadores, está na coluna Iscas & Anzóis que volta a ser publicada nesta sexta-feira (18/07) no Ataque, após o recesso com a Copa do Mundo.

sexta-feira, 4 de julho de 2014

COMO FISGAR CORRUPTOS COLOCANDO SAL NA AREIA DA PRAIA.

APRENDA COMO FISGAR ISCA DE PEIXE COLOCANDO SAL NA AREIA DA PRAIA.
VÍDEO MOSTRA COMO FACILMENTE UM HOMEM CONSEGUE FISGAR O CORRUPTO QUE É UM CRUSTÁCEO E EXCELENTE ISCA PARA PEIXES MARINHOS, VÊM SENDO HÁ MAIS DE VINTE ANOS CAPTURADOS E UTILIZADOS POR PESCADORES AMADORES AO LONGO DAS PRAIAS OCEÂNICAS DO LITORAL BRASILEIRO, DESDE A COSTA NORDESTE ATÉ A COSTA SUL. A ESTRUTURA DO CORRUPTO É EXTREMAMENTE DELICADA, DEVENDO SER AMARRADO AO ANZOL SEM APERTAR DEMAIS.

DEZ RAZÕES PARA PESCAR NA ILHA DO SAL EM CABO VERDE!

DEZ RAZÕES PARA VOAR JÁ PARA A ILHA DO SAL EM CABO VERDE.
DEZ RAZÕES PARA DESCOBRIR UMA DAS ILHAS MAIS TURÍSTICAS DE CABO VERDE, DEIXANDO-SE SEDUZIR PELA NATUREZA DESÉRTICA, O MAR AZUL-TURQUESA, A SIMPATIA DO POVO E O RITMO DA MÚSICA CONTAGIANTE


Assim que aterramos no Sal, às onze da noite, depois de apenas quatro horas de voo, e saímos a pé do avião até ao edifício do aeroporto, sentimos um vento quente. Imediatamente esquecemos o registo europeu e acertamos o ponteiro com o ritmo africano. Sem nunca perdermos a sensação de estar em casa. Aqui fala-se português (e crioulo, claro), a sinalização na estrada aquela que segue sempre a direito, sem trânsito, e onde a certa altura se avista mar de um lado e do outro é igual à nossa, e o Benfica, o clube de eleição. Dantes, os turistas vinham para aqui, punham a pulseirinha do hotel no pulso, e só tinham de decidir se passavam o dia à beira da piscina ou iam até ao areal fino, dar um mergulho no mar azul-turquesa, de temperatura simpática. Quase sempre com vento à mistura.
Ainda há quem não saia dos hotéis. Mas, se realmente quiser experimentar a ilha e conhecer como vivem os cabo-verdianos, o melhor é seguir as nossas instruções:

1 - Boiar nas salinas

Não importa como lá se chega de pick up, mota, autocarro, carro alugado ou outro veículo, mas é imprescindível passar algum tempo nas salinas de Pedra de Lume, que deram nome à ilha. Antes de se passar no buraco que dá acesso à cratera do antigo vulcão (por €5), a vista lá de cima torna a experiência mais rica. Mas não é a paisagem que transforma esta visita num dia especial. Tomar aqui banho, isso sim, faz toda a diferença. Nos primeiros momentos tudo parece igual, mas de repente o corpo perde o peso e, como no Mar Morto, começa a flutuar, tornando-se impossível nadar. Enquanto se aguentar, o divertimento é encontrar uma posição cómoda, sem dar encontrões às outras pessoas. Mas depressa o sal nos olhos e na boca começa a incomodar, obrigando ao fim da brincadeira. Por €1, ganha-se um duche de água doce antes de se sair. Caso contrário, segue-se salgado o resto da viagem. Mas que isso não impeça de se reparar, ao longo do caminho, nas rudimentares estruturas de madeira, que serviram, no passado, para o transporte do sal.

2 - Uma piscina natural

Um caminho pelo deserto assim se atinge a Buracona, uma piscina formada no meio das rochas escuras e onde sabe bem tomar banho, mesmo em dias de muito vento. Qualquer que seja o meio de transporte, os saltos causados pelos buracos da estrada de terra batida são inevitáveis nesta longa viagem, onde até temos direito a miragens. Para-se na Suvenir Mirage (assim mesmo), uma cabana repleta de artesanato cabo-verdiano, gerida por Emanuel. Do nada, aparecem os franzinos Elvis e Delvis, de 13 e 8 anos. Dizem que andam na escola, mas custa a acreditar quando se olha para os pés dos irmãos, cinzentos do pó. "Pedimos para comprar sapatos", diz o mais velho, acabando por confessar que consegue 700 escudos (para fazer o câmbio, basta tirar dois zeros) por dia com este tipo de argumento. Quando se chega à Buracona perto do meio-dia, é possível ver o "olho azul" nada mais do que o sol a incidir na escuridão de uma gruta dando-lhe essa tonalidade. Nota: Levar bom calçado para andar pelas rochas vulcânicas.

3 - É proibido proibir

Paramos o carro junto a uma bomba de gasolina, onde está um letreiro que proíbe a "lavagem de viaturas". Mesmo ao lado, um homem põe o seu Renault num brinquinho, com grande descaramento. Aqui, é proibido proibir. A lei também não permite que se conduza sem cinto ou se fale ao telemóvel, mas toda a gente o faz. Estamos em Espargos, a capital da ilha, onde existe um hospital, um centro cultural, uma biblioteca, a Câmara, um quartel e bancos. Mas onde os miúdos brincam no meio da rua, indiferentes aos carros, alguns deles descalços e onde as mulheres transportam alguidares à cabeça, provavelmente cheios de bananas que vendem na rua a 120 escudos o quilo. Em Espargos encontra-se de quase tudo, mas a um preço exorbitante para uma população que ganha cem euros de salário mínimo. A explicação: a ilha não tem produção própria e todos os víveres têm de ser importados (o barco vem carregado de duas em duas semanas). Em Espargos, impõe-se uma ida ao mercado, para descobrir alguns dos legumes e frutos locais, como a calabaceira e o tambarino. Antes de deixar a cidade, e depois de uma subida à zona das antenas do aeroporto para se absorver a vista, a esplanada Bom Dia é um bom local para experimentar a Strela, a cerveja nacional.

4 - À sombra da Palmeira

É na vila de Palmeira que se encontra o principal porto da ilha. Por isso não nos espantamos quando vemos vários pescadores de volta de um enorme tubarão-martelo, que trouxe lulas no bucho. Foi pescado, garantem-nos, à linha, sem cana. Arelson Renato, de 22 anos, fala da proeza na maior das calmas, enquanto chupa um gelado "artesanal" de laranja, embrulhado em plástico, que saiu de uma lancheira por 10 escudos. Ao mesmo tempo, salga-se blue fish, como nós salgamos o bacalhau, logo ali, à saída da água. O anúncio de uma reunião dos alcoólicos anónimos na Casa dos Pescadores faz adivinhar uma vida que não passa de grogue nos intervalos da pesca. Talvez por isso, as mulheres mostrem o seu olhar melancólico, às ombreiras das janelas, enquanto as crianças brincam em seu redor.

5 - O peixe é quem mais ordena

O Sal não tem agricultura nem indústria. Vive exclusivamente do turismo. E do peixe, que alimenta e encanta os turistas. Vale a pena perder uma manhã no pontão de Santa Maria, onde os barcos chegam carregadinhos. O passadiço de madeira enchese de gente que retira as entranhas à mão ou com rudimentares facas de cozinha. Neste dia, o Sera, um enorme peixe do tipo do atum, foi o mais apanhado um quilo rende cerca de 400 escudos. Eduino, 45 anos, um dos muitos que vivem desta atividade, consegue fazer três contos por dia (€30), na época alta. Assim que estão amanhados, os peixes pousam em carrinhos de mão ferrugentos e são entregues, a pé, nos hotéis das redondezas, num processo que não demora mais do que vinte minutos. No pontão, também há cavalas e peixe miúdo, que se vende mal é capturado. Assim como conchas, búzios, estrelas-do-mar, mandíbulas de tubarão ou pele do peixe-balão para souvenirs. Com sorte, ainda há mangas pequeninas, a 450 escudos o quilo.

6 - Está ali uma barbatana

Perto da zona das salinas, na zona Norte da ilha, encontra-se um bidão com a palavra "tubarão" pintada em várias línguas. Siga-se por aqui para avistar este animal marinho. Desviando para a direção indicada por aqueles escritos, aparecem dois miúdos a mandar parar o carro. Walter, 14 anos, e Euclides, 13, vivem no Freijoal, um pequeno casario onde coabitam com mais 20 pessoas. Saltam para a caixa aberta da pick up e indicam a praia onde os tubarões gostam de se mostrar. Pelo meio, passase por umas dunas cheias de lixo trazido pelos barcos, onde a palavra ecologia não tem significado algum. Assim que o carro para, na baía da Parda, Walter entra mar adentro, por cima de pedrinhas pretas escorregadias. Euclides fica em bicos dos pés, na pick up, a dar indicações, porque não trouxe sapatos. A tarde já vai longa. Às três e meia, na maré cheia, foi um festival de avistamentos. Agora, com o céu carregado e o mar cinzento, é a custo que discorremos uma barbatana de um tubarão-gato misturada na espuma das ondas, a poucos metros do local onde paramos. Os miúdos asseguram que, nos dias bons, eles vêm quase até à rebentação. Vale a pena tentar.

7 - Cuidado com as tartarugas

A catalã Berta Renom, 28 anos, chegou ao Sal, em 2011, como voluntária da associação SOS Tartarugas . Hoje coordena a ONG criada para evitar que os habitantes da ilha matem estes animais marinhos para consumo à mesa. "Antes só se viam carapaças de tartaruga espalhadas pela praia, agora preservamos-lhes o habitat e os ninhos", explica, com o seu sotaque de Barcelona. A partir de julho, a sua organização promove visitas às praias para observar a desova das tartarugas, mas sob um código de conduta rigoroso: os grupos não podem ter mais de dez pessoas, são acompanhados por um guia treinado e é proibido usar flash nas fotografias. Os turistas são avisados ainda que devem levar roupa escura e aprendem a caminhar junto à linha da costa, na maré alta, para não atrapalhar o processo. Quando aparece um rasto, devem parar e agacharem-se, sempre da parte de trás para que as tartarugas não se assustem. A experiência custa 20 euros, que revertem para a proteção destes habitats.

8 - Barco com vista

Emídio Simões, 55 anos, é o português mais cabo-verdiano do Sal. Vive sozinho nesta ilha desde 2007, tempo suficiente para conhecer toda a gente, especialmente a partir do momento em que, como quase todos, se dedicou ao turismo, criando o clube Odisseia. Em 2010 comprou o barco Neptunus e passou a organizar passeios no mar. Esta espécie de submarino amarelo tem o fundo em vidro e, por isso, por 33 euros, os turistas podem ver um pouco da vida que se esconde no fundo desta água tão transparente. Em frente ao hotel RIU faz-se a primeira paragem, pois é aqui que estão os destroços de um navio afundado há quase um século. Entretanto, um mergulhador dá comida aos peixes para que o espetáculo fique mesmo bem na fotografia. A bordo serve-se ponche, uma das bebidas típicas da ilha, feita à base de cana-de-açúcar (a outra é o grogue, a mesma base, mas bem mais forte). João Silva, 30 anos, tem a pulseirinha dourada do Oasis Salinas Sea, mas nem por isso quis perder este passeio que ainda termina a tempo de ir, com a mulher, almoçar no hotel. Pedindo com jeitinho, dá para mergulhar na segunda paragem, junto a um Cristo aqui depositado como forma de proteger os pescadores.

9 - Um luxo de mar

O mar do Sal dá-se ao luxo de permitir quase todos os desportos: do surf ao skimming, passando pelo bodyboard. Mas, o que hoje agarra mais adeptos é o kitesurf. Não admira o vento raramente dá tréguas. O stand up paddel também começa a estar na moda, mas só quando os dias estão mesmo bons. O norte-americano Rod Smith, 47 anos, nem esteve com meias medidas. Na sua Surf Zone , em frente ao lendário hotel Morabeza , escreveu: "No beach beds, no beers, no food, just surf." Aqui, já se sabe, só vem quem quer ter aulas de kite (duas horas €70) ou windsurf (uma hora €40), ou alugar material para praticar desportos aquáticos (uma hora €15). Este é um dos principais locais que assistem quem não leva as suas pranchas para o Sal, mas Santa Maria tem várias escolas deste tipo e o mar está quase sempre cheio de gente a praticar.

10 - À noite tudo pode acontecer

Ir ao Sal e não sair dos portões do hotel, nem que seja por uma noite, é quase crime. Cabo Verde escreve-se ao som de música, há um cantor em cada esquina, dança-se de forma primorosa, com um jogo de cintura que nem vale a pena tentar imitar. Com a pulseirinha, pode ter-se um cheiro das Mornas e do Funaná, mas só quem anda pelas animadas ruas de Santa Maria vê, realmente, como os cabo-verdianos se divertem. Não há como perder-se ou não encontrar os sítios mais animados, porque são poucos e estão colados uns aos outros. Comece a noite no sofisticado Ocean Café, explorado por italianos. Não é por acaso que, do nada, passa uma travessa de piza, cortada aos pedaços, como uma oferta aos clientes. Mude depois para o Buddys, com dedo espanhol, que se nota apenas nas tapas. A (boa) música ao vivo continua por aqui. E termine a noite na discoteca. Fica o mesmo aviso que ouvimos antes de entrar: "No Calemba é de A a Z, tudo pode acontecer. " Se ainda conseguir, de madrugada, espreite o Pirata, mesmo à entrada da vila.

GUIA DO VIAJANTE COMO IR

A TAP (www.flytap.com ) voa todos os dias, menos à terça-feira, para o Sal. É necessário visto, que custa 25 euros (ou 2 500 escudos cabo-verdianos). Pode tratar-se em Portugal ou no aeroporto, à chegada. Não é preciso trocar moeda, porque em todo o lado aceitam euros.

ONDE FICAR

Há uma enorme oferta de hotéis no Sal, de todas as categorias e para todo o tipo de turistas. Recomendamos o mais recente cinco estrelas, de um grupo português, o oásis atlântico Salinas Sea Resort . Até outubro, as crianças não pagam estada, desde que fiquem no quarto dos pais. Os preços andam acima dos 131 euros por noite, em quarto duplo, no regime tudo Incluído (há outras opções) uma boa promoção que serve de desculpa para desfrutar do conforto deste hotel, de excelente localização, com dois restaurantes, três bares junto à piscina, um ginásio ao ar livre e outro indoor, spa (as massagens na tenda do jardim ao final do dia são muito relaxantes) e um recém-inaugurado bar de praia, mesmo ao cruzar da rua de terra batida.

quinta-feira, 3 de julho de 2014

TAINHA COM QUASE OITO QUILOS É CAPTURADA!

TAINHA COM QUASE OITO QUILOS É CAPTURADA NO BALNEÁRIO RINCÃO.
ÚLTIMO REGISTRO SEMELHANTE OCORREU HÁ OITO ANOS, QUANDO UMA TAINHA FOI CAPTURADA COM 7,2 KG


Samuel Patrício Rosa, morador do bairro Pedreiras, do Balneário Rincão, pescou na manhã dessa quarta-feira uma tainha com quase oito quilos. O peixe foi capturado com a água pela canela em uma rede de currico no momento em que Samuel e alguns colegas pescavam na Barra do Torneiro. A captura surpreendeu quem estava no local pelo tamanho do peixe, que foi pesado nesta manhã. Na balança foi confirmado o peso da tainha: 7,9 kg. Segundo pescadores do balneário, o último registro semelhante ocorreu há oito anos, quando uma tainha foi capturada com 7,2 kg.

Conforme o presidente da Colônia de Pescadores Z-33, do Balneário Rincão, João Picolo, capturar uma tainha com quase oito quilos é raro. “Isso acontece com um entre milhares. Em média, o peixe pesa entre 2,5 kg e 3 kg”, lembra. Conforme o pescador por esporte, que estava na Barra do Torneiro no momento da captura, Tafarel Formentin, a tainha foi vendida nesta quinta-feira para um morador do Balneário Rincão. O preço pago pelo peixe foi de R$ 100. “O preço é equivalente ao peso, tendo em visita que o quilo da tainha está orçado pelo valor médio de R$ 14”, comenta.


Ainda conforme Picolo, este ano a safra da tainha foi aquém do esperado. “Ainda não fechamos quantas toneladas os pescadores capturaram nesta temporada, mas foi uma média de 30 toneladas. Comparando com o ano passado, quando foram pescados 120 toneladas este ano a safra não foi considerada boa. Não deu para custear as despesas dos pescadores, como o combustível utilizado nas embarcações”, comenta Picolo.

Agora, a temporada é das anchovas, que já começam a surgir no litoral catarinense. De acordo com o presidente da Colônia de Pescadores do Balneário Rincão, as anchovas pesam aproximadamente 2 Kg.

TUBARÃO-BALEIA "GULOSO" ROUBA PEIXES DE REDE DE BARCO.

TUBARÃO-BALEIA "GULOSO" ROUBA PEIXES DE REDE DE BARCO NA INDONÉSIA.
ANIMAL APROVEITOU REDE COLOCADA NA ÁGUA E FEZ "BANQUETE PREGUIÇOSO".  MESMO COM PREJUÍZO, PESCADORES CONSIDERAM VISITA COMO "BOA SORTE".


Pescadores na costa da Indonésia foram surpreendidos durante uma saída ao mar quando um tubarão-baleia enorme aproveitou os peixes que haviam sido capturados em uma rede e fez uma refeição generosa sem muita dificuldade.

O animal, conhecido por seu tamanho impressionante, foi bastante guloso diante da oferta de comida, e não pareceu se esforçar para sugar os peixes capturados pelo barco, que não tinham a menor condição de oferecer resistência.

De acordo com o jornal “Daily Mail”, mesmo com as perdas durante a pesca, os pescadores gostam da presença de tubarões em volta do barco, já que isso traria boa sorte, de acordo com os costumes locais.

quarta-feira, 2 de julho de 2014

CORAIS DO CARIBE PODEM DESAPARECER EM 20 ANOS.

CORAIS DO CARIBE ESTÃO À BEIRA DO COLAPSO
ESTUDO MAIS ABRANGENTE JÁ FEITO SOBRE RECIFES DE CORAIS CARIBENHOS ALERTA QUE ESSE RICO ECOSSISTEMA MARINHO PODE DESAPARECER EM 20 ANOS. AINDA DÁ PARA SALVÁ-LO.


Com apenas um sexto do seu tamanho original, a maioria dos recifes de corais do Caribe pode desaparecer nos próximos 20 anos, principalmente devido à perda de biodiversidade, alerta um novo relatório produzido por três grandes entidades, o Global Coral Reef Monitoring Network (GCRMN ), a União Internacional para Conservação da Natureza (IUCN) e o Programa Ambiental das Nações Unidas (Pnuma).

As consequências podem ser catastróficas. O Caribe é casa de 9% dos recifes de coral do mundo, que são um dos ecossistemas mais diversos do planeta e vitais para a economia da região.

Eles geram mais de US$ 3 bilhões por ano com o turismo e a atividade de pesca e mais de uma centena de outros bens e serviços dos quais 43 milhões de pessoas dependem.

Os resultados mostram que os corais do Caribe reduziram em mais de 50% desde 1970.

As mudanças climáticas têm sido apontadas como a principal culpada pela degradação dos corais pelo mundo, mas no caso dos corais caribenhos, a maior ameaça vem da perda de dois herbívoros importantes para a região: peixes-papagaio e ouriços do mar.

Uma doença não identificada levou a uma mortalidade em massa do ouriço-do-mar em 1983 e a pesca extrema ao longo do século 20 deixou a população de peixes-papagaio à beira da extinção em algumas regiões.

A perda destas espécies rompe o delicado equilíbrio dos ecossistemas de corais, permitindo com que as algas, das quais elas se alimentam, se proliferem e passem a sufocar os recifes.

Mas, de acordo com os autores, restabelecer as populações de peixes-papagaio e melhorar outras estratégias de gestão, como a proteção contra a sobrepesca e poluição costeira excessiva, são medidas que poderiam recuperar os recifes e torná-los mais resistentes a impactos futuros das mudanças climáticas.

"A taxa em que os corais do Caribe têm diminuído é verdadeiramente alarmante", diz Carl Gustaf Lundin, diretor do Programa Polar Global Marine e da IUCN.

"Mas este estudo traz algumas notícias muito animadoras: o destino de corais do Caribe não está além do nosso controle e há alguns passos muito concretos que podemos tomar para ajudá-los a se recuperar", acrescenta.

O relatório "Situação e Tendências do Recifes de Coral no Caribe" é o estudo mais detalhado e abrangente do gênero já publicado.

Resultado do trabalho de 90 especialistas ao longo de três anos, ele contém a análise de mais de 35 mil pesquisas realizadas em 90 locais do Caribe desde 1970, incluindo estudos de corais, algas, ouriços do mar e peixes de criadouro.

SHIMANO LANÇA A NOVA LINHA DE VARAS CRUCIAL 2014.

SHIMANO LANÇA A NOVA LINHA DE VARAS CRUCIAL 2014
NOVA LINHA CRUCIAL DA SHIMANO É 28% MAIS LEVE E 13% MAIS FORTE COM TECNOLOGIA DE GRAFITE

terça-feira, 1 de julho de 2014

TUBARÃO-TIGRE DE MAIS DE TRÊS METROS E 200 KG É PESCADO EM PRAIA DE SERGIPE

TUBARÃO-TIGRE DE MAIS DE TRÊS METROS E 200 KG É PESCADO EM PRAIA DE SERGIPE
ANIMAL ADULTO PODE CHEGAR A SEIS METROS DE COMPRIMENTO. APARECIMENTO DA ESPÉCIE É COMUM NA COSTA DO NORDESTE.


Um tubarão-tigre foi capturado pela rede de pescadores em alto-mar na Praia do Abaís, em Estância (SE), na manhã desta terça-feira (1º). O animal tem mais de três metros de comprimento e pesa cerca de 200 quilos.

O comerciante Dênisson Souto não perdeu a oportunidade e fez uma foto com o animal. “Estava indo abrir a loja, mas passei na praia para ver quando soube do tubarão que realmente é muito grande”, relata. A carne do peixe foi distribuída entre os pescadores para consumo.

Um exemplar adulto dessa espécie encontrada pode medir até seis metros de comprimento. De acordo com o veterinário Andrei Brum, especialista em animais marinhos, o aparecimento desse tipo de tubarão na costa de Sergipe não é raro.
Segundo o biólogo Thiago Meneses, a pesca comercial desse tipo de animal é proibida, mas a carne dele pode ser vendida caso ele fique preso acidentalmente na rede. "A pesca não pode ser intencional, pois apesar de não ser uma espécie ameaçada de extinção ela está em situação vulnerável", explica.