segunda-feira, 14 de abril de 2014

QUE TAL PARAR DE COMER ATUM PARA PRESERVÁ-LO?

QUE TAL PARAR DE COMER ATUM PARA PRESERVÁ-LO?
EM ALGUNS LUGARES, ESPECIALMENTE EM ALTO-MAR E EM ÁGUAS INTERNACIONAIS, AS POPULAÇÕES ESTÃO EM DECLÍNIO ACENTUADO.


Você já deve ter ouvido falar que várias espécies de peixes estão em perigo ao redor do mundo. Em alguns lugares, especialmente em alto-mar e em águas internacionais, as populações estão em declínio acentuado.

Então, aqui vai uma pergunta para amantes de atum gordo (usado no sushi, sashimi…), albacora e espadarte: você estaria disposto a parar de comê-los por um período de cinco a dez anos?

Isso é o que sugere novo estudo dos pesquisadores Crow White e Christopher Costello, publicado pela PLoS Biology. A proposta é ousada: se quisermos recuperar espécies ameaçadas, como as citadas acima, é preciso proibir pesca em alto-mar.

Mas esta não seria uma medida radical sem volta. A estimativa dos autores é que, entre cinco e dez anos, as populações de peixes se recuperariam e seria possível pescar ainda mais por ano, de forma sustentável.

De acordo com o relatório The State of World Fisheries and Aquaculture 2012, da Organização das Nações Unidas para Agricultura e Alimentação (FAO), 154 milhões de toneladas de pescados foram capturadas em 2011.

O crescimento nas últimas cinco décadas foi dramático, a uma taxa de 3,2% ao ano, ultrapassando o crescimento da população mundial (1,7% ao ano).

Entre as sete principais espécies de atum analisadas pelo documento, 33,3% sofreu sobrepesca.

“No longo prazo, o estado das populações de atum podem continuar a deteriorar a menos que haja melhorias significativas em sua gestão”, alerta o estudo.

É aí que entra a proposta de White e Costello. “Acreditamos que, ao fechar completamente o alto-mar para pesca, depois de um tempo, aumentariam os lucros das pescarias (em 100%), da produtividade (em 30%) e da conservação das unidades populacionais de peixes (em 150%)”, escreveram os pesquisadores.

Muito radical, mirabolante ou uma boa saída?

Fonte: Exame.com

A NOVA CURADO!

SHIMANO APRESENTA A NOVA CURADO!
CONHEÇAM O MELHOR DA SHIMANO

domingo, 13 de abril de 2014

DESTAQUES DA QUEST PARA FEIPESCA

BASS 17 É UM DOS DESTAQUES DA QUEST PARA FEIPESCA
DESTAQUE PARA O BASS 17, QUE APESAR DO NOME NÃO SE TRATA DE UM BASS BOAT E SIM DE UM BAY BOAT


Diferentes modelos de barcos marcam presença na Feipesca no estande da Quest. Destaque para o Bass 17, que apesar do nome não se trata de um Bass Boat e sim de um Bay Boat, ou seja, a embarcação é totalmente preparada para navegação em baías e mar aberto.

A lancha, de 17 pés, tem capacidade para cinco pessoas e aceita motorização entre 60 e 115 hp. Outro atrativo das lanchas Quest é a cor dos cascos. O acabamento brilhante não é feito através de pintura e sim direto na fibra do barco.

Visite o estande da Quest na Feipesca e conheça a linha completa.

CHRONARCH Ci4: AJUSTANDO O SISTEMA SVS

SHIMANO CHRONARCH Ci4
COMO AJUSTAR O SISTEMA SVS DE FREIOS

sábado, 12 de abril de 2014

TUBARÃO-MARTELO SE ENROSCA EM REDE DE PESCA.

TUBARÃO-MARTELO SE ENROSCA EM REDE DE PESCA NA BARRA DO CEARÁ
PEIXE COM MAIS DE 2 METROS FOI ENCONTRADO NO MAR NA QUINTA-FEIRA, 10. DE ACORDO COM IBAMA, ESPÉCIE É AMEAÇADA DE EXTINÇÃO.


Um grupo de seis pescadores foi surpreendido com um tubarão-martelo de mais dois metros na praia da Barra do Ceará, em Fortaleza, por volta de 9h de quinta-feira (10). Segundo um dos pescadores do grupo, Mardoqueu Santos Lima, de 50 anos, o tubarão se enroscou na rede de pesca próxima a faixa de praia. "Isso acontece muito, eu mesma já peguei mais de 20 do mesmo jeito", disse Lima, que trabalha como pescador há 35 anos.

De acordo com o coordenador Instituto Brasileiro do Meio Ambiente (Ibama-CE), Rolfran Ribeiro, a presença da espécie não é incomum no litoral cearense.
O coordenador explica que o tubarão-martelo é uma espécie ameaçada de extinção e, por este motivo, a pesca é proibida. No entanto, se a pescaria ocorre de forma acidental, não há irregularidade.

Fonte: G1 Ceará

FEIPESCA 2014: CONHEÇA OS LANÇAMENTOS DE 2014

FEIPESCA 2014
CONHEÇA UM POUCO DAS NOVIDADES DA FEIPESCA 2014 NO CENTER NORTE EM SÃO PAULO.


A equipe do Pesca Alternativa esteve presente na maior feira de pesca da América Latina, a FEIPESCA, evento que reúne grandes marcas do mercado da pesca esportiva nacional e internacional.

Nosso apresentador, Lusca Pacheco, foi descobrir o que há de novidade nas principais empresas do segmento. Muita coisa boa sendo lançada!

Conheça os produtos que vão bombar em 2014:Veja a qualquer hora incríveis pescarias realizadas pela equipe do Pesca

sexta-feira, 11 de abril de 2014

PESCADOR LEVA SUSTO AO ACHAR VIBRADOR EM BACALHAU!

PESCADOR LEVA SUSTO AO ACHAR VIBRADOR EM BACALHAU NA NORUEGA
BJOERN FRILUND ENCONTROU OBJETO DENTRO DE PEIXE QUE ESTAVA EM SUA REDE. NORUEGUÊS ACREDITA QUE ANIMAL CONFUNDIU BRINQUEDO SEXUAL COM LULA.



Um pescador norueguês levou o maior susto de sua vida ao encontrar um vibrador de tamanho respeitável dentro da barriga de um bacalhau.

Bjoern Frilund, de 64 anos, achou estranha a forma do bacalhau de 6 kg que acabara de capturar em sua rede.

"Primeiro saíam dois arenques e depois encontrei um objeto de borracha, de cor alaranjada, de 15 a 16 centímetros de comprimento", contou o morador da cidade de Åndalsnes.

"Eu já sabia que o bacalhau come tudo que encontra, mas não se espera algo assim", acrescentou.



O filho do pescador, Marius, imortalizou a descoberta com uma foto, apesar de, a princípio, achar que se tratasse de uma brincadeira do pai.
Bjoern Frilund acredita que o bacalhau confundiu o  brinquedo sexual com uma lula.

O aparelho ainda tinha seu motor, mas estava sem pilhas.
Quanto às hipóteses sobre sua procedência, o pescador acha que pode ter sido jogado ao mar de algum navio turístico que percorre o idílico litoral norueguês, provavelmente depois de alguma experiência frustrante.

A HISTÓRIA DO MESTRE NÉLSON NAKAMURA.

UM POUCO DA HISTÓRIA DO MESTRE NÉLSON NAKAMURA.
A HISTÓRIA DE UM DOS MAIORES PESCADORES DO BRASIL, O ESPECIALISTA EM ARREMESSOS, TÉCNICAS E ISCAS DE PESCA.

quinta-feira, 10 de abril de 2014

A NOVA ISCA ARTIFICIAL JOCKIE 120

A NOVA ISCA JOCKIE 120
A NOVA ISCA JOCKIE 120 APRESENTA CORPO HÍBRIDO DE MINNOWBAIT E PENCILBAIT, DESENVOLVENDO UMA AÇÃO QUE PROMETE FAZER SUCESSO ENTRE OS GRANDES PREDADORES BRASILEIROS, SOBRETUDO GRANDES ROBALOS E TUCUNARÉS. COM UM NADO INCRÍVEL CONCILIA TRABALHO DE MEIA-ÁGUA ERRÁTICO E STICK.



PESCADORA ABATE ATUM DE QUASE MEIA TONELADA.

APÓS 4 HORAS DE LUTA, PESCADORA ABATE ATUM DE QUASE MEIA TONELADA.
O PEIXE MEDIA 2,67 METROS E PESAVA 411,6 KG – DUAS VEZES O PESO DE UM BEBÊ ELEFANTE.  APENAS ESSE ESPÉCIME ENCHERIA MAIS DE 2500 LATAS DE ATUM!


Pescadores têm fama de mentirosos, não por acaso. Então você acreditaria se uma pescadora afirmasse ter pego o maior atum da história?

Donna Pasco, 56 anos, e mais 4 ajudantes pescaram o maior atum já registrado: o peixe media 2,67 metros e pesava 411,6 kg – duas vezes o peso de um bebê elefante. Apenas esse espécime encheria mais de 2500 latas de atum! Veja no vídeo abaixo:

Donna fisgou esse monstro no Cabo Reinga, na Nova Zelândia. “Ele foi teimoso, mas eu também sou’’, afirmou a pescadora ao site britânico “Mirror”. E bota teimosia nisso: foram necessárias quatro horas e 5 pessoas para conseguir tirar o bicho da água.


Ano passado, um atum da mesma espécie mas com metade do peso foi vendido por US$1,09 milhões em Tóquio, Japão. Isso significa que o peixe capturado por Donna valeria cerca de R$5,05 milhões!

Mas, como o peixe não foi capturado em um barco de pescaria comercial, ela não está autorizada a vender esse gigante. Em vez disso, Donna pretende empalhar o atum e o pendurar em sua parede.

quarta-feira, 9 de abril de 2014

A FESTA DO BACALHAU FRESCO, O SKREI!

O BACALHAU ANTES DE SER SECO.
FOMOS COM O CHEF JOSÉ CORDEIRO ATÉ AO CÍRCULO POLAR ÁRTICO PARA A FESTA DO BACALHAU FRESCO DA PRIMEIRA DESOVA, O SKREI.


A tradição portuguesa no tocante ao bacalhau é a do produto seco e salgado. Aquela que todos conhecemos e acarinhamos há gerações, que em crianças vimos demolhar pacientemente, depois processar das mais diversas formas – mais de mil, reza o imaginário – e servir em modo festivo. Se alguém pedir a um português que desenhe um bacalhau, é muito provável que saia um desenho de uma espécie de triângulo, que é a forma que tem o peixe quando o compramos. A nossa relação com o peixe na sua forma original, em vida, é praticamente nula.

Portugal só há muito pouco despertou para o bacalhau fresco, a ponto de se ver nas peixarias e nos cardápios de restaurante. Carne alva como a neve, lasca após ligeira fervura e absorve temperos com invulgar generosidade. É preciso dizer que a demolha do nosso bacalhau seco de sempre, sendo embora uma regeneração, não devolve ao peixe a sua textura original. Mesmo bem demolhado, continua a ser radicalmente diferente do congênere fresco. O chef José Cordeiro, proprietário e oficiante no restaurante lisboeta com o seu nome, trabalha já há alguns anos com bacalhau fresco e oferece atualmente o dito na sua carta, declinado em pratos da sua autoria.

Nos pontos de venda de peixe fresco dos supermercados, a aceitação tem sido nota generalizada, com aumento da procura semana após semana. A variante congelada, resultante da intervenção das indústrias transformadoras nacionais no processo, encontrou também eco importante junto dos consumidores tanto domésticos como profissionais. Neste caso, o facto de estar pronto a cozinhar parece ser o ponto principal de vantagem, mesmo face ao custo acrescido e à perda de rendimento do sabor. Os restaurantes de serviço tradicional do fiel amigo, contudo, não dispensam o produto seco e demolham-no em câmaras frigoríficas, com o consequente incremento em termos de sabor, textura e consistência da receita final.

Mais tarde ou mais cedo, teria de surgir o momento que nos foi proporcionado, a mim e ao chef José Cordeiro. Ir até aos co­curutos do planeta, acima do círculo polar ártico, para assistir ao início de todo o ciclo do bacalhau, quando vindo do mar de Barents – onde existe o maior stock de gadus morua que se conhece, gerido conjuntamente pela Noruega e Rússia –, vem desovar nos fiordes noruegueses. Trata-se da primeira desova da vida dos bacalhaus, quanto tem 5 a 7 anos. Lá partimos, então, rumo às origens do enigmático peixe, dono da grande preferência dos portugueses. No horizonte da viagem estava não só a pescaria ao largo da pequena aldeia de Myre mas também um conjunto de atividades que visava aproximar-nos do bacalhau e do seu habitat natural.

Na Noruega, chamam klipefisk, que quer dizer peixe para guardar, à variante seca e salgada do bacalhau e não é considerado localmente um produto de primeira qualidade, nem tão-pouco há receituário específico para ele. Já o fresco é muito especial e tem um significado grande para o povo norueguês. Das lonjuras do mar de Barents, com a água a cinco graus Celsius negativos, entre janeiro e março, o bacalhau faz uma viagem de milhares de quilômetros para vir desovar nas rochas de um dos fiordes mais a norte, nas ilhas Lofoten.

A primeira desova acontece quando o bacalhau tem 5 a 7 anos, compleição pujante e vocação para a grande migração. Pertence à subcategoria de «Bacalhau do Ártico», curiosamente a mesma de que se alimenta o esturjão, para depois nos dar o maravilhoso caviar. É também a que mais mobilidade geográfica apresenta, quando comparada com o bacalhau da costa ou o do mar do Norte, ambos com vidas mais sedentárias. Estamos no período do skrei que podemos definir como o bacalhau adulto da primeira desova. O intenso exercício físico dá-lhe uma carne muito firme, branca e que lasca com facilidade. A grande viagem visa o acasalamento, pelo que o peixe não come quase nada até que a sua missão de prolongamento da espécie esteja cumprida. Não há muito tempo até que regresse para as águas do Ártico mais a norte, pelo que o período de pesca é relativamente curto. Foi para esse raro momento que o chef José Cordeiro foi convocado e arregimentado.

José Cordeiro é um homem de compleição militar, as empreitadas físicas não o intimidam. Foi o primeiro cozinheiro português a participar ativamente, de corpo e alma, na pesca e programa do skrei, exatamente como os locais e nas mesmas condições. Confesso que cheguei a ter pena do nosso homem, quando o vi partir ainda de noite para o mar gelado, apesar da generosidade e adequação do vestuário e acessórios fornecidos. Não foi sozinho, cinco outros chefes entraram na competição. Eram eles Stefan Karlsson (Fond, Gotem­burgo), Ben Pollinger (Oceana, Nova Ior­que), Hung Fai (Hotel Igeretxe, País Bas­co), Gerald Zogbaum (Kuchenwerkstatt, Hamburgo) e Simon Hulstone (The Ele­phant in Torquay).


Todos, na noite anterior, fizeram um jantar de skrei em que cada um apresentou uma versão da sua autoria. José Cordeiro inspirou-se no bacalhau com grão, à portuguesa, e foi um dos mais apreciados da noite. Não acabou cedo o jantar, mas os chefs lá seguiram para a faina, cada um com sua cana de pesca. O nosso apanhou dois peixes, um com 7 quilos outro mais modesto, com 3, mas mesmo assim ficou entre os que mais sucesso tiveram. No regresso a terra, falavam do frio extremo que sentiram no barco, evitando comentar a ondulação, que naquelas paragens nunca é pequena.

Mesmo com a pescaria terminada, uma outra competição aguardava os chefs: o corte das línguas dos bacalhaus. A época do skrei é anunciada e festejada pelas crianças em idade escolar. Faz também parte da festa o corte das línguas pelos mais novos. As cabeças dos bacalhaus descem por uma rampa para um tapete rolante. Há uns espetos em que se deve enfiar as cabeças e depois com uma faca, com um ou mais golpes, retira-se a barbela e a língua a cada uma, a uma velocidade lancinante. O campeão dentre os miúdos consegue cortar mais de 40 por minuto, o que é notável. Há que ter em conta que está tudo gelado, desde o ar até às cabeças, o que no contacto direto com as mãos, mesmo através de luvas de borracha, acaba por tolher muito os movimentos. José Cordeiro cortou oito línguas, ficando num honroso segundo lugar, perante um trabalho que jamais havia feito. Num gesto simbólico e de boa disposição, receberam todos um diploma de cortador de línguas. Título de importância muito relativa em Portugal, mas ato cultural nas aldeias do Lofoten. Seguiu-se, não um chill out, mas um warm out no hotel, para um banho quente regenerador e mudança de roupas.

Estávamos hospedados na aldeia de Myre – diz-se «Mira», lugar evocativo da epopeia bacalhoeira portuguesa – e fomos recebidos por uma família local para um verdadeiro jantar de «molje», termo norueguês que se diz mãliê e que designa a refeição evocativa da abertura da época do skrei. Para nós, portugueses, não foram precisas grandes explicações, para espanto dos donos da casa. O que compõe o dito jantar? Bacalhau, batatas com pele, ovas, fígados e cebolas, tudo cozido separadamente. A assessoria líquida fica a cargo de vinho tinto, servido no copo maior, e aqua­vit (aguardente de batata) no copo mais pequeno. A ideia é consumir esta última sempre que comermos mais um pedaço do fígado, para facilitar a digestão.

As semelhanças com a nossa forma de comer o bacalhau cozido são impressionantes. Repara-se ainda na dimensão minúscula das ovas, e é explicado que é por serem da primeira desova; as das desovas seguintes da vida de cada bacalhau serão progressivamente maiores e menos saborosas. Em cima do móvel da sala de jantar, uma garrafa de Mateus Rosé, que os proprietários guardam de uma viagem a Portugal como recordação. Nos cabos dos talheres, a imagem de um bacalhau. Explicaram-nos que utilizam na época do skrei, o que é mais um ponto a favor da relação forte que existe entre o momento de consumo e o peixe vivo, ao contrário do que por enquanto por cá acontece. O regresso faz-se com a curiosidade ainda mais aguçada do que quando partimos, e juntamos uma perplexidade: quantas histórias assim teremos nós ainda por conhecer?

NOVA ISCA RAPALA BX SERIE ARTICULADA.

CONHEÇAM A NOVA ISCA RAPALA BX (BALSA XTREME) SERIE ARTICULADA.
CONFIRA ESSAS DUAS NOVAS AQUISIÇÕES À RAPALA BX SERIES, O NOVO BX ARTICULADO MINNOW E O BX ARTICULADO SHAD! O BX ARTICULADO MINNOW É 3-1/2 "POR MUITO TEMPO E NADA DE 6'-8 'E O BX ARTICULADO SHAD É 2-1/2" E NADA DE 4'-6'. AMBOS TÊM UM NÚCLEO DE BALSA COM UM ESCUDO EXTERIOR COPOLÍMERO. DUASS NOVOS ÓTIMAS OPÇÕES PARA AS COLUNAS DE ÁGUA MAIS RASAS.

terça-feira, 8 de abril de 2014

TUBARÕES SEGUINDO BARCO DE PESCA NA AUSTRÁLIA!

TUBARÕES SEGUINDO BARCO PROFISSIONAL DE PESCA
ENQUANTO A PESCA SEGUE NO GOLFO DE CARPENTARIA NA AUSTRÁLIA, UM PESCADOR SE ATREVEU A COLOCAR UMA GO PRO PARA VER O QUE ESTAVA ACONTECENDO DEBAIXO D'ÁGUA. QUEM ARRISCA UM MERGULHO?

FEIRA ESTÁ CHEIA DE HISTÓRIAS !

FEIRA ESTÁ CHEIA DE HISTÓRIAS DE PESCADORES
FEIPESCA 2014, NO EXPO CENTER NORTE, CONTOU COM 80 EXPOSITORES E PALESTRAS PARA QUEM É APAIXONADO POR PESCA.


Não foi só para conhecer as novidades da Feipesca (Feira Internacional de Pesca Esportiva), no Expo Center Norte, que os pescadores foram, nesta sexta, ao segundo dia do evento. Além de conhecer os 80 stands do espaço e assistir demonstrações dos produtos que vêm para facilitar a vida de quem pratica o esporte, os pescadores aproveitaram para dividir experiências e contar as histórias inusitadas vividas em alto mar.

Foi entre uma palestra e outra que  o analista de sistemas Flavio Saito, de 59 anos, contou os momentos de apuros de uma  pescaria que fez com mais 14 amigos há oito anos. Durante uma tempestade e longe de terra firme, o motor do barco parou. 

“Agora dá até para dar risada, mas foi um sufoco. Os mais machos se ajoelharam no barco e começaram  a rezar. Alguns até se despediram da família”, disse o pescador aos risos. 

Foi um menino de dez anos que contou vantagem por ter pescado o peixe mais graúdo. José Eduardo Dezani garantiu ter conseguido fisgar um tambaqui de 18 quilos. “Eu contei para todos os meus amigos na escola que eu pesquei o tambaqui sozinho. Meu pai só me ajudou para tirar o peixe da água, mas fui eu que pesquei”, garantiu o menino.

A mãe de José Eduardo, Maria Luiza Dezani, de 45 anos, é quem acompanha o filho na pescaria. Ela aprovou o kit cor-de-rosa para as mulheres que se  aventuram no esporte. “Eu ainda não tinha visto um desse. A maioria das coisas é para os homens. É bom ter um kit para nós”, disse Maria Luiza. 

O expositor Caio Rodrigues, que investiu nos produtos para elas, garante que a linha tem um propósito. “O kit é uma tática para elas deixarem os homens pescarem. Elas não se incomodam ”, brincou. A feira acontece hoje, das 11h às 21h, e amanhã, das 11h às 18h. O ingresso custa R$ 25 e estudantes e idosos pagam meia. 

Em pescaria é tudo verdade!

Tempestade é a inimiga
Durante uma pescaria de tucunaré no Rio Paraná, Wilton Boldrini e o condutor do barco tiveram de enfrentar uma tempestade com ondas de dois metros de altura. Foi esse episódio que mais marcou o pescador, que pratica o esporte por hobby. A embarcação estava sendo arrastada e corria o 
risco de descer por uma cachoeira.

Momento estátua
O caiçara Marcio Nonato, de 47 anos, lembra-se da vez na qual precisou ficar sem mover um músculo para que um robalo  não quebrasse o seu kit de pesca. “Ele é um peixe de rio e tem muita força. Fiquei com medo de ele puxar e  estourar o meu equipamento. Se isso acontecesse iria acabar com a minha pescaria do fim de semana inteiro.”

segunda-feira, 7 de abril de 2014

TUBARÃO "REBOCA" PESCADOR POR 2 HORAS

TUBARÃO "REBOCA" PESCADOR POR 2 HORAS APÓS SER FISGADO NOS EUA
ADAM FISK FOI ARRASTADO NO CAIAQUE, POR TUBARÃO-MARTELO 'VALENTE'.  AMERICANO ACABOU DUAS CIDADES À FRENTE DE ONDE ESTAVA.


O americano Adam Fisk passou por uma situação bastante incomum ao ser “rebocado” por um tubarão-martelo na costa da Flórida (EUA), após o animal morder a isca durante uma pescaria

Assim que o tubarão morde a isca, o animal mostra que não iria desistir tão fácil da “briga” e começa a nadar como se estivesse “rebocando” o barco.

Fisk, que gravou toda a sua aventura, afirma que foi levado pelo animal por mais de duas horas, e que acabou duas cidades a frente de onde estava.

Depois de toda a aventura, o animal se soltou do anzol e finalmente “liberou” o pescador, que publicou as imagens de sua “pescaria inversa” no YouTube.

ESTUDANTES FISGAM TUBARÃO-MARTELO DE 4,2 M!

ESTUDANTES FISGAM TUBARÃO-MARTELO DE 4,2 M POR ACIDENTE NOS EUA.
GRUPO DE ALUNOS DE UNIVERSIDADE FAZIA PESCARIA NA COSTA DA FLÓRIDA. JOVENS DEVOLVERAM PREDADOR DE 317 KG APÓS TRAZÊ-LO ATÉ A COSTA.


Um grupo de estudantes da Universidade Atlântica da Flórida (EUA) filmou o momento em que enorme tubarão-martelo 4,2 m foi fisgado durante uma pescaria, e depois foi devolvido ao oceano pelos jovens.

Os jovens contaram que fisgaram o animal por acidente, e que ficaram mais de 90 minutos lutando contra ele, pensando que era apenas um peixe enorme, de acordo com a emissora “WPTV”.

Diante da situação, os alunos tiraram fotos com sua “conquista” e se uniram para levar o predador de mais de 317 kg de volta para a água.

Os estudantes informaram à Comissão de Pesca e Conversação de Vida Selvagem da Flórida (FWC, em inglês) que utilizaram um anzol especial que não era inoxidável, para que ele pudesse apodrecer e se soltar do animal, o que está de acordo com as normas de pesque e solte do estado.

domingo, 6 de abril de 2014

CONFIRA A PESCA DO MARLIM AZUL NA BAHIA!

GLOBO MAR VAIA A BAHIA CONFERIR A PESCA DO MARLIM AZUL!
A EQUIPE ACOMPANHA ADEPTOS DA PESCA OCEÂNICA NO MAR DA BAHIA. GRUPO DE PESCADORES ENCONTRA MARLIM AZUL DE TRÊS METROS DE COMPRIMENTO E CERCA DE 250 QUILOS.

LIGAS AMADORAS DE PESCA ESPORTIVA SE POPULARIZAM!

LIGAS AMADORAS DE PESCA ESPORTIVA SE POPULARIZAM NOS EUA
ESTUDANTES QUE SE INTERESSAM PELA PESCA AO BASS TEM COMPETIÇÕES UNIVERSITÁRIAS


Nos EUA, é muito comum as ligas universitárias de basquete e futebol americano, que realizam competições amadoras a que se devem muitos atletas talentosos para equipes profissionais. Contudo, poucos sabem que existem campeonatos federados voltados para estudantes que se interessam pela pesca de bass.

O epicentro dessa nova modalidade de esporte universitário nos EUA está localizado no Estado do Texas. É nesta região que está a maiorias dos mais de mil pescadores esportivos que competem em torneios não profissionais realizados pela Association of Collegiate Anglers (ACA), pela FLW Outdoors e B.A.S.S (Bassmaster).

É o caso de Andrew Upshaw, estudante da Universidade Stephen F. Austin. Pescador desde pequeno, o jovem foi o primeiro aluno dessa instituição a ingressar no Bassmaster Classic.

“Esses campeonatos universitários estão se popularizando a cada ano”, contou Upshaw ; indústria da pesca percebeu que precisava atrair mais jovens e mantê-los interessados pelo esporte”, completou. Além de ganhar visibilidade e ser um trampolim para importantes competições profissionais, os campeões dos torneios recebem prêmios que vão dinheiro a embarcações equipadas.

E você ainda anda buscando gente de sua faculdade para jogar uma pelada!

Fonte: Pesca & Companhia

sábado, 5 de abril de 2014

PESCADOR ENCONTRA DEDO HUMANO DENTRO DE BARRIGA DE PEIXE!

VÍDEO COMPROVA QUE PESCADOR ACHOU DEDO HUMANO DENTRO DE PEIXE
PEIXE HAVIA SIDO FISGADO NO LAGO PRIEST, EM IDAHO (EUA). HOMEM HAVIA PERDIDO QUATRO DEDOS NO MESMO LAGO EM ACIDENTE.


A emissora "KPTV" divulgou um vídeo que comprova que a história do americano Calvin Nolan não é apenas mais um conto de pescador. Calvin ganhou notoriedade após achar um dedo dentro de um peixe que havia fisgado no lago Priest, no estado de Idaho.

Calvin encontrou o dedo enquanto limpava uma truta de 2,3 quilos. Ele colocou o dedo no gelo e ligou para a polícia.

Os investigadores conseguiram tirar uma impressão digital e descobriram que o dedo pertencia a Hans Galassi, que havia perdido quatro dedos em um acidente enquanto praticava wakeboard no mesmo lago.

Segundo a "KPTV", Galassi sofreu o acidente a cerca de 13 quilômetros de onde o peixe foi capturado.

GARRAFA ACHADA POR VELEIRO CONTINHA CARTÃO POSTAL DE 1913.

PESCADORES ACHAM MENSAGEM DE 101 ANOS EM GARRAFA NA ALEMANHA.
GARRAFA ACHADA POR VELEIRO CONTINHA CARTÃO POSTAL DE 1913. MENSAGEM BATEU O RECORDE COMO MAIS VELHA DO MUNDO EM GARRAFA.


O pescador alemão Konrad Fischer foi fotografado segurando uma mensagem colocada em uma garrafa de 1913 a bordo do veleiro de pesca “Maria I” em Kiel, na Alemanha.

A mensagem, colocada em um cartão postal dentro de uma garrafa de cerveja, é considerada a mais velha do mundo, de acordo com Guinness, superando a antiga marca de uma mensagem de 1914.

De acordo com um museu local, o artefato histórico foi mostrado para uma das netas do responsável por jogar a mensagem no mar da Alemanha, há mais de 101 anos.

sexta-feira, 4 de abril de 2014

BRITÂNICO FISGA TUBARÃO DE 5,5 METROS COM ANZOL.

BRITÂNICO BATE RECORDE AO FISGAR TUBARÃO DE 5,5 METROS COM ANZOL
PREDADOR ARRASTOU O BARCO EM QUE HALES ESTAVA POR MAIS DE 3 KM. ANTIGO RECORDE DURAVA DESDE1959 E TINHA SIDO ESTABELECIDO NA AUSTRÁLIA.


O empresário britânico Andy Hales, de 55 anos, fisgou com vara de anzol um tubarão branco que teria cerca de 5,5 metros e quase duas toneladas. O predador era tão grande que arrastou o barco em que Hales estava por mais de três quilômetros.

Após quase duas horas, o pescador britânico conseguiu vencer a batalha e "controlar" o grande predador, deixando ele ao lado do barco, durante uma pescaria com amigos no dia 25 de março em cabo das Agulhas, na África do Sul.

Por conta do tamanho, Hales e seu amigo Richard Foster de 54, não conseguiram colocar o "monstro" a bordo e cortaram a linha, deixando o grande tubarão-branco seguir sua viagem.

Segundo a imprensa britânica, Hales estabeleceu um recorde para maior tubarão-branco fisgado com vara de anzol. O antigo recorde havia sido estabelecido em 1959, na Austrália, com um tubarão de quase 1 tonelada.

quinta-feira, 3 de abril de 2014

O TUBARÃO-TOURO DE DUAS CABEÇAS!

CIENTISTAS CONFIRMAM PRIMEIRO TUBARÃO-TOURO DE DUAS CABEÇAS
ANIMAL POSSUI DOIS CORAÇÕES, DOIS ESTÔMAGOS E APENAS UMA CAUDA. BICHO FOI ENCONTRADO POR PESCADORES NO GOLFO DO MÉXICO.


Um tubarão-touro (ou tubarão-cabeça-chata) de duas cabeças, encontrado no Golfo do México, foi confirmado como o primeiro desse tipo na espécie, de acordo com cientistas de duas instituições de ensino dos estados da Flórida e do Michigan.

O peixe foi encontrado por pescadores locais, e possui  dois corações, dois estômagos e termina em uma única cauda. “Certamente é um fenômeno interessante e raramente detectado”, disse Michael Wagner, professor assistente da Universidade Estadual do Michigan. 

O animal não foi encontrado vivo, todavia, ele agora será documentado e estudado por especialistas do colégio técnico de Flórida Keys e da instituição de ensino do Michigan. “Temos que descobrir mais sobre isso e concluir a respeito do que teria causado essa condição”, concluiu o docente.

Michael Wagner, um cientista da MSU e co-autor do estudo recém-publicado, detalhou em sua análise que o exemplar tinha uma bifurcação axial, uma deformidade do embrião que começou a se separar em dois organismos, mas não chegou a completar o processo.

"A metade do processo de formação de gêmeos deteve a divisão do embrião", explica Wagner, que considera que o animal - que morreu em seguida - tinha "poucas ou nenhuma possibilidades" de sobreviver por muito tempo.


Os predadores necessitam realizar movimentos muito rápidos para caçar outros peixes, algo que este exemplar nunca poderia ter feito, apontou o responsável pela investigação do primeiro caso de bicefalia conhecido em tubarões touro.

Este fenômeno, por sua vez, já foi observado em outras espécies de tubarões, detalhou o estudo, que também foi elaborado em colaboração com a escola comunitária da região de Florida Keys.

"Este é sem dúvida um desses fenômenos interessantes e raros de detectar", afirmou Wagner, que completou: "É bom que tenhamos documentada esta parte da história natural do mundo, mas sem dúvida teríamos que ter o encontrado antes para poder tirar mais conclusões sobre a causa".

quarta-feira, 2 de abril de 2014

ESQUELETO EM CADEIRA NO FUNDO DO MAR ASSUSTA PESCADOR!

ESQUELETO FALSO EM CADEIRA NO FUNDO DO MAR ASSUSTA PESCADOR NOS EUA
"ELE PARECIA MUITO REAL", DISSE A POLÍCIA. ESQUELETO FOI ACHADO NA COSTA DA FLÓRIDA.


Depois que um pescador disse ter se assustado ao ver um esqueleto em uma cadeira a cerca de 180 metros da costa de Archer Key, no estado da Flórida (EUA), as autoridades descobriram que tudo não passava de uma brincadeira, segundo o jornal "Sun-Sentinel".

Quando o esqueleto foi içado até o barco, a polícia descobriu que o esqueleto era de plástico. "Ele parecia muito real", disse a polícia do condado de Monroe. As autoridades decidiram retirá-lo da água para que ninguém mais se assustasse ao vê-lo.

terça-feira, 1 de abril de 2014

PESCADORES LEVAM TUBARÕES NA CABEÇA PARA VENDER!

PESCADORES LEVAM TUBARÕES NA CABEÇA PARA VENDER NA SOMÁLIA.
CENA FOI REGISTRADA EM RUAS DE MOGADÍSCIO. IMAGENS FORAM FEITAS PELO FOTÓGRAFO ISMAIL TAXTA.


Pescadores foram fotografados nesta segunda-feira (31) carregando tubarões e peixes-espadas sobre a cabeça e os ombros em ruas de Mogadíscio, na Somália.


Eles foram flagrados enquanto levavam os peixes para serem vendidos em um mercado local.





segunda-feira, 31 de março de 2014

ESCULTURA DE TUBARÃO PRÉ-HISTÓRICO GIGANTE FAZ "PASSEIO"!

ESCULTURA DE TUBARÃO PRÉ-HISTÓRICO GIGANTE FAZ 'PASSEIO' NA ALEMANHA.
RÉPLICA DE ANIMAL EXTINTO FOI TRANSPORTADO ATÉ PARQUE EM MUENCHAHAGEN. RECONSTRUÇÃO DE MEGALODON MEDE 14 M E PESA 1 TONELADA.


Uma van foi flagrada transportando uma réplica em tamanho real de um megalodon, uma espécie extinta de tubarão para um parque em Muenchahagen, região central da Alemanha.

A reconstrução do animal colossal mede 14 m de comprimento e pesa cerca de 1 tonelada.

domingo, 30 de março de 2014

AMERICANO FISGA TRUTA DE 23,67 QUILOS!

AMERICANO FISGA TRUTA DE 23,67 QUILOS E PODE BATER RECORDE MUNDIAL
PEIXE FOI CONFISCADO PELAS AUTORIDADES DO ESTADO DE MINNESOTA. HÁ DÚVIDAS SE TRUTA FOI FISGADA EM ÁGUAS AMERICANAS OU CANADENSES.


O pescador americano Rob Scott, de 65 anos, que mora em Crane Lake, no estado de Minnesota (EUA), fisgou uma truta enorme que pode ser novo recorde mundial, segundo o jornal "Duluth News Tribune". Scott capturou uma truta de 23,67 quilos.

Scott fisgou o peixe no dia 8 de fevereiro em um lago perto da fronteira com a província canadense de Ontário. As autoridades canadenses abriram uma investigação para apurar se o pescador americano fisgou o peixe em águas canadenses.

Após polêmica, o peixe foi confiscado pelo Departamento de Recursos Naturais de Minnesota.

De acordo com o jornal, o atual recorde mundial para uma truta fisgada em lagos foi registrado em 1996, quando um exemplar de 13,32 quilos foi capturado em um lago em Vermont (EUA).

sábado, 29 de março de 2014

TUBARÃO MENOR ENGOLIU A ISCA, MAS ACABOU VIRANDO ISCA TAMBÉM.

PESQUISADORES FISGAM TUBARÃO ENORME COM OUTRO MENOR NA BOCA
TUBARÃO MENOR ENGOLIU A ISCA, MAS ACABOU VIRANDO ISCA TAMBÉM. GRUPO ESTAVA TENTANDO RECAPTURAR TUBARÕES MARCADOS PARA PESQUISA.


Pesquisadores da Universidade de Delaware (EUA) estavam tentando recapturar tubarões que tinham sido marcados para pesquisa científica na costa do estado, quando fisgaram um tubarão enorme com outro menor dentro de sua boca

Segundo os pesquisadores, o tubarão menor havia engolido a isca que eles usaram para capturar espécimes maiores, mas ele acabou virando isca de um predador maior.

A universidade originalmente marcou os tubarões para obter informações sobre os níveis populacionais na costa de Delaware.


sábado, 1 de junho de 2013

PESCA DE TUBARÃO NO MUNDO!

JAPÃO DEVE REJEITAR ACORDO QUE REGULA PESCA DE TUBARÃO NO MUNDO
ACORDO FOI PROPOSTO RECENTEMENTE POR CONVENÇÃO INTERNACIONAL.



TÓQUIO CONSIDERA QUE NÃO É NECESSÁRIO AMPLIAR REGULAÇÃO DE SUA PESCA.

O governo do Japão deverá rejeitar o acordo internacional proposto recentemente pela Convenção sobre o Comércio Internacional de Flora e Fauna (CITES) para regular a pesca e o comércio de tubarões, anteciparam neste sábado (1º) fontes oficiais.

Apesar de a espécie em geral ter sido reduzida drasticamente nos últimos anos devido ao comércio de sua barbatana, Tóquio considera que não é necessário ampliar a regulação de sua pesca e que esta deve seguir vinculada aos organismos já existentes, detalharam as fontes à agência "Kyodo".

Neste sentido, espera-se que Japão rejeite o acordo decidido no último mês de março em Bangcoc durante a convenção do CITES, na qual se decidiu ampliar o número de espécies de tubarão protegidas.

Na ocasião, o acordo alcançado na Tailândia obteve apoio de mais de dois terços dos países participantes, a necessidade exigida para a criação de permissões especiais aos países que realizam exportações de tubarões para reforçar seu controle.

Durante essa convenção, o bloco de países asiáticos, liderado por China e Japão, antecipou que considerava "inaceitável" a inclusão de novas espécies de tubarão na lei de proteção, entre as quais se encontram o oceânico, o martelo comum e o gigante, entre outros.

Anteriormente, o Japão já rejeitou outras decisões da CITES, como a proibição de comercializar diversas espécies de baleias e tubarões, como o branco e o baleia, e inclusive a relativa à pesca de cavalos marinhos, utilizados na Ásia para elaborar remédios contra a asma e disfunção erétil.

Segundo organizações de defesa dos animais, entre 26 e 73 milhões de barbatanas de tubarão passam a cada ano pelo mercado de Hong Kong, o primeiro destino mundial deste produto, para elaborar a popular sopa de barbatana. Além disso, os dados publicados em março pela CITES situaram a Espanha como o maior exportador de barbatana de tubarão a Hong Kong, seguido de Cingapura, Taiwan, Indonésia, Emirados Árabes e Iêmen.

Neste sentido, uma das principais ameaças dos tubarões é a prática do corte de suas barbatanas, já que depois o animal é lançado novamente ao mar.

O CITES é um acordo adotado por 177 países sob o que se catalogaram até o momento aproximadamente 35 mil espécies de animais e plantas para regular seu comércio internacional e evitar que tal atividade afete em sua existência.

sexta-feira, 31 de maio de 2013

7° FESTIVAL DE PESCA DE BARÃO DE MELGAÇO

FESTIVAL DE PESCA SEGUE ATÉ DOMINGO
A PREMIAÇÃO PARA O 1° LUGAR SERÁ UM MOTOR 15HP YAMAHA.


Além de shows musicais, a “Feira da Roça”, especialmente montada para o 7° Festival de Pesca de Barão de Melgaço, de 31 de maio a 02 de junho, reserva para quem prestigia o evento quitutes, comida caseira com uma variedade na culinária com peixe, guloseimas e artesanatos. 

A premiação para o 1° lugar será um motor 15HP Yamaha, para o 2° uma moto Pop 100 Honda, ao 3° um barco de seis metros, 4° um micro computador, 5° uma televisão de 32 polegadas e ao 6° e 7° um prêmio surpresa. 

Ao campeonato mirim, que será realizado, das 9h às 11h, no último dia (02.06), a premiação é uma bicicleta do 1° ao 3° colocado. 

O Festival de Pesca do município foi lançado com uma retreta, em frente a prefeitura de Barão de Melgaço, pelo Corpo Musical da Polícia Militar de Mato Grosso, Bandas de Música do Exército (Quadragésimo Quarto Batalhão de Infantaria Motorizado) e o Corpo de Bombeiros Militar de Mato Grosso. Além do Hino Nacional e a música Aquarela do Brasil tocada pelo garoto Bruno Cássio, do cavaco, com o pandeirista Veronézio Nunes.

quarta-feira, 29 de maio de 2013

A MORTE DE BALEIAS

TÉCNICAS DE PESCA PODEM "ACELERAR"  A MORTE DE BALEIAS, APONTA ESTUDO
CIENTISTAS ANALISARAM IMPACTO DE REDES DE ARRASTO EM EXEMPLAR DE BALEIA.



CAÇA E MIGRAÇÃO DE ESPÉCIMES PODE SER AFETADOS POR ATIVIDADE.

Um monitoramento feito por cientistas durante quase dois anos com um exemplar de baleia-franca-do-Atlântico-Norte (Eubalaena glacialis) concluiu que técnicas de pesca utilizadas por humanos, como as redes de arrasto, reduzem a capacidade de caça e migração desses mamíferos aquáticos e podem causar a morte de espécimes.

O estudo, publicado neste mês no periódico “Marine Mammal Science”, detalha o monitoramento da baleia batizada Eg 3911, encontrada em 2010 na região da Flórida, nos Estados Unidos.

De acordo com os pesquisadores, um equipamento experimental chamado de DTAG, desenvolvido pelo Instituto Oceanográfico Woods Hole e que foi instalado na baleia, captou os movimentos do animal durante o período analisado.

Os cientistas verificaram os mergulhos do animal e detectaram que, quando a baleia ficou presa em redes de arrasto, seus mergulhos e a profundidade alcançada por ela eram alterados negativamente. Além disso, para remover o equipamento, os pesquisadores utilizavam sedativos, que também provocavam a redução da velocidade de natação.

Com as informações do DTAG, os pesquisadores desenvolveram cálculos a partir das medições e constataram que ao ficarem presas em redes de pesca, as baleias passam a gastar até 102% mais energia para escapar do material e reduzem sua velocidade em 20%.

Óbito
Durante o estudo, a baleia Eg 3911 apareceu morta e os cientistas verificaram que a causa foi o fato dela ter ficado enroscada em uma rede de arrasto, que lhe causou ferimentos crônicos. Agora os cientistas querem conscientizar pescadores sobre os prejuízos à vida marinha ao utilizar equipamentos predatórios durante as atividades pesqueiras.

As baleias-francas-do-Atlântico-Norte estão à beira da extinção e são um dos grandes animais raros da terra, de acordo com os cientistas. Estima-se que a população desta espécie varie de 350 a 550 animais no mundo todo.

terça-feira, 21 de maio de 2013

MPF PEDE SUSPENSÃO DE TURISMO E PESCA ESPORTIVA NO RIO MARIÉ

MPF PEDE SUSPENSÃO DE TURISMO E PESCA ESPORTIVA NO RIO MARIÉ E AFLUENTES
MINISTÉRIO PÚBLICO FEDERAL NO AMAZONAS (MPF/AM) EXPEDIU RECOMENDAÇÃO ÀS EMPRESAS ACUTE ANGLING E LIGA DE ECO-POUSADAS DA AMAZÔNIA PARA QUE SUSPENDAM QUALQUER ATIVIDADE DE EXPLORAÇÃO TURÍSTICA E DE PESCA ESPORTIVA.


O Ministério Público Federal no Amazonas (MPF/AM) expediu recomendação às empresas Acute Angling e Liga de Eco-Pousadas da Amazônia para que suspendam qualquer atividade de exploração turística e de pesca esportiva no rio Marié e seus afluentes, no município de São Gabriel da Cachoeira, até que seja devidamente autorizada pelos órgãos responsáveis pela proteção e promoção dos direitos indígenas e do meio ambiente, com a participação dos povos indígenas envolvidos.

A situação irregular chegou ao conhecimento do MPF por meio de representação encaminhada pela Federação das Organizações Indígenas do Alto Rio Negro (Foirn).

Conforme apurado em inquérito civil público instaurado a partir da representação, foi constatada a exploração comercial do turismo de pesca esportiva pelas empresas Acute Angling e Liga de Eco-Pousadas da Amazônia dentro das terras indígenas perpassadas pelo rio Marié, sem autorização da Fundação Nacional do Índio (Funai) e sem o conhecimento de todas as comunidades indígenas da área.

Na recomendação, o MPF destaca que o rio Marié perpassa as terras indígenas Alto Rio Negro, Apaporis, Rio Tea e Médio Rio Negro I, todas homologadas por decreto presidencial, sendo utilizadas coletivamente como fonte de sustento para aproximadamente 13 comunidades indígenas.

O MPF/AM também recomendou às empresas que deixem de vender pacotes turísticos para pesca esportiva no local e cancelem os que já foram negociados.

A recomendação também foi encaminhada à Funai, para que realize estudos socioculturais para verificar a viabilidade da atividade no rio Marié e seus afluentes, e ao Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis (Ibama), para que avalie os impactos ambientais da atividade no local, ambos com ampla participação das comunidades envolvidas.

O órgão federal destaca ainda que qualquer atividade comercial desenvolvida dentro das terras indígenas não pode ser negociada diretamente com os índios, pois a terra pertence à União, e que qualquer autorização nesse sentido depende de consenso entre todas as comunidades afetadas.